Para pensar mais uma vez!

maturidade
Como profissionais, é muito importante ouvir, ler o que dizem os outros profissionais sobre um determinado assunto. Principalmente quando se trata de um tema relativo à mente. Entretanto, o texto abaixo não é propriamente de um profissional, mas de Jetsunma Tenzin Palmo, monja Budista. O Budismo, aqui, tratado como uma ciência, uma filosofia. Independente de sua crença, essa explicação de Jetsunma é sobre a mente. Mente é universal, e não se limita ou restringe a convicções pessoais, afinal, todos nós temos um cérebro. E nele há a fantástica mente que conduz o nosso ser. Leia e reflita. 
 
“Nossa mente pensante é muito útil, essencial. Não há nada errado em ter pensamentos. O problema é apenas quando nos identificamos com esses pensamentos, quando pensamos “este sou eu, isso é meu”. E nós nos identificamos com nossos pensamentos. Nós nos identificamos com nosso senso de gênero, raça, nacionalidade, profissão, nossas memórias, de nossa infância, e as lições e assim por diante, o que fizemos ontem, o que fizemos esta manhã, nossas opiniões, juízos, crenças… “Isso é o que faz eu ser quem eu sou! ” Portanto, na perspectiva do Dharma, este é o nosso desconhecimento essencial, esta é a nossa ignorância essencial. Em sânscrito é “avidya”, o que significa exatamente isso, “não saber”. Nós não sabemos quem realmente somos.
É, quero dizer, sem solidificar isso, é como um ator que está interpretando um papel e, enquanto eles estão interpretando o papel, ele se identifica absolutamente com o seu papel. Se ele é um bom ator, ele se torna o personagem que ele está interpretando, mas, se quando ele vai para fora do palco ele ainda pensa que é Hamlet … ele tem um problema!”
PS. Dharma dentro do Budismo se refere aquilo que é, a lei universal. 
Fonte: http://www.budavirtual.com.br/cultivando-sua-mente-e-seu-coracao-jetsunma-tenzin-palmo-mind-potential-2014/